13 perguntas sofre Infarto do Miocárdio …

28 02 2012


Minha ideia de explicar o infarto do miocárdio de forma mais simples, foi responder algumas das mais frequentes perguntas que são feitas aos profissionais. Aproveitem.

Infarto do Miocárdio

O que é o infarto do miocárdio?

É a morte das células de uma zona mais ou menos extensa do músculo que forma as paredes do coração (miocárdio) produzida pela falta de irrigação desta área.
A que se deve a falta de irrigação nesta área?
A obstrução de um vaso derivado de alguma das artérias coronárias, que são as que levam sangue ao miocárdio. Esta obstrução pode produzir-se de forma lenta e progressiva, como consequência do engrossamento das paredes arteriais em decorrência do acúmulo de gorduras, o que acontece com os doentes de arteriosclerose, a fase final desse processo é acelerada pela formação de um trombo ou coágulo sanguíneo que em última instância é o responsável pela obstrução arterial ou trombose coronária. A obstrução também pode se apresentar de forma brusca em consequência de uma embolia , ou seja, a presença na artéria de um coágulo transportado pela corrente sanguínea.
Geralmente se fala em infarto do miocárdio e da trombose coronária como se fossem a mesma coisa.
De fato não são a mesma coisa, embora a uma trombose coronária se siga um infarto do miocárdio. Na verdade, a trombose coronariana é a presença de um coágulo sanguíneo no interior do vaso coronário , e o infarto é a morte das células do miocárdio que ficam sem sangue.
Em que idade existe maior propensão de se sofrer um infarto do miocárdio?
Embora dependa de uma variedade de fatores biológicos e ambientais, a idade mais afetada é a compreendida entre os 40 e os 70 anos.
Como se manifesta?
O sintoma é uma dor opressiva, intensa e duradoura que se centra quase sempre atrás do esterno e se estende até o ombro e braços, sobretudo o ombro esquerdo e a parte interior do braço deste mesmo lado. Esta dor é acompanhada quase sempre de sintomas que não são específicos do infarto do miocárdio, tais como sudorese abundante e fria, febre, náuseas e vômitos, perturbações do ritmo cardíaco, etc. O paciente se encontra ansioso e tem a sensação de morte iminente.
Qual a causa desencadeante do infarto do miocárdio?
Diferente da angina do peito, o infarto do miocárdio não é desencadeado por nenhuma circunstância específica. Pode acontecer quando se está passeando, descansando ou dormindo, sem qualquer esforço violento prévio.
Pode-se confundir qualquer dor torácica com o infarto?
Existem várias doenças, na verdade, em que a dor tem a mesma localização, por exemplo, a perfuração do estômago, inflamação do pericárdio ou capa externa do coração (pericardite) etc.
Quanto tempo dura a dor?
Mais de 20 minutos e, às vezes, horas e até dias.
Fala-se no infarto como sendo uma doença gravíssima?
Frequentemente determina a morte do paciente e em qualquer caso é sempre de prognóstico reservado. Contudo, se o paciente sobreviver 24 horas ao ataque, pode-se ter um moderado otimismo e se sobreviver uma semana pode-se ter a esperança de que vai se recuperar.
Que cuidados devem ser dispensados ao doente?
Dada a gravidade do processo, é necessário que seja imediatamente hospitalizado, se possível, em uma unidade coronariana de cuidados intensivos onde será aplicado o tratamento conveniente e se detectará o surgimento de possíveis complicações como o choque ou os transtornos de ritmo cardíaco. Deverá ficar em repouso absoluto durante algum tempo, se bem que é conveniente realizar alguns exercícios para evitar a formação de trombose e o perigo de uma embolia.
Durante quanto tempo a pessoa terá que ficar de cama?
Depende da gravidade do ataque. Graças ao eletrocardiograma pode-se conhecer a extensão da zona atingida e o tempo que será necessário para o restabelecimento. O recomendado é que se fique no leito de 4 a 6 semanas. Transcorrido este tempo, o doente poderá reintegrar-se às suas ocupações cotidianas, embora com certa cautela nos primeiros meses.
Então, a pessoa que sofreu um infarto poderá levar uma vida normal depois de restabelecida?
Na verdade, isto é verdade quando o paciente não fica com sequelas. Contudo, deverá evitar um trabalho duro, exercícios físicos violentos, tensões emocionais, álcool, fumo, comida abundante, etc.
Diz-se que a vida moderna favorece o aparecimento do infarto, é verdade?
A tensão nervosa que a vida moderna impõe, principalmente nas grandes cidades, contribui para o aumento desta doença. Por outro lado, muitas das medidas que poderiam proteger as artérias coronarianas, como exercícios físicos constantes, o controle do peso ou a eliminação do fumo e do álcool não podem ser adotadas sem adotadas sem dificuldade na era do automóvel, das bebidas carbônicas (gasosas), e dos alimentos sintéticos, da televisão, da Internet, etc.
Ficou comprovado que os homens são mais propensos ao infarto do que as mulheres; esta situação pode reverter-se com as mudanças de atividade da mulher moderna?
Para cada mulher que sofre um infarto há 4 homens vitimados. Contudo, parece que a incidência no sexo feminino está aumentando.

Curiosidades

Nos homens a dor pré-cordial é o sintoma mais frequente, já nas mulheres o cansaço e fadiga extrema são os sintomas mais encontrados.

Nas mulheres é mais frequente sentir náuseas, dores no epigástrio, ou nas costas, pescoço ou queixo.

Muitas vezes, sintomas outros que não a dor, são sentidos já há muito tempo antes do infarto ocorrer.

A intensidade da dor do infarto varia muito de doente para doente. A dor não necessita ser intensa.

A dor geralmente irradia para o braço esquerdo, mas em 15% dos atingidos irradia para o braço direito.

Muitos sintomas de doença das coronárias são ignorados pelos pacientes e também pelos médicos. Existem infartos silenciosos, que são revelados ao eletrocardiograma ou outros exames por ocasião de exames rotineiros.

Exija do seu médico que investigue a causa de seus sintomas, principalmente se pertencer a um grupo de risco.

A parte do coração que necrosar, morrer, por ocasião de um infarto não é mais viável e não produzirá sintomas como dor. Logo, enquanto o doente sentir dor resta tecido cardíaco viável que pode se recuperar por si ou com tratamentos adequados. Quanto antes esse tecido doente for tratado, maiores as chances de ser recuperado.

Se isso acontecer, se notar uma ou mais de uma das manifestações acima, não espere, vá ou chame imediatamente um serviço de emergência.

Já que todo mundo está dizendo, FICA A DICA!

Post by Felipe Almeida

Anúncios




E se a musculação ficou fácil?

27 02 2012

 

Com o passar o tempo, muitas vezes seu treino acaba se tornando comuns e toda sua musculatura se acostuma com isso, ai vocês perguntam o que fazer?

Quando isso ocorrer é preciso rever o seu treinamento com o profissional da sua academia. A primeira coisa a fazer é saber realmente qual é o seu objetivo, seja ela por estética ou física. A musculação precisa causar estímulos em nosso corpo aos quais ele não está acostumado no nosso dia a dia. A partir do momento em que você começa a executar a série de exercícios e ao final dela percebe que poderia fazer mais movimentos, esse é o ponto em que seu treino já não é o suficiente e está na hora de mudar a intensidade ou o próprio exercício (variações).

Sempre é bom lembrar aos “conhecedores e admiradores”, que escutem o profissional que entenda prescrição de exercícios e não o “Arnold Schwarzenegger” da academia que com certeza não sabe sobre, fisiologia, cinesiologia, anatomia, biomecânica…Querem estipular ou escutar um qualquer para o seu treino? Cuidado, podem acarretar em problemas de postura e dores musculares por executarem de forma errônea os exercícios.

Listarei alguns malefícios sobre aos exercícios sem orientação:

*Redução de desempenho

* Insônia

* Cansaço

*Dores musculares

* Irritação

* Ansiedade

* Agressividade

*Cefaleia

* Problemas articulares

* Aumento da pressão arterial

* Batimentos cardíacos alterados.

RESPEITEM O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

Um abraço e bom treino.

 

Post by Felipe Almeida





Mitos e verdades sobre seu treino na academia. Parte II…

26 02 2012

Mitos e verdades

 

Bom, devido a procura por mais “mitos” e verdades sobre o treinamento na academia, resolvi postar mais algumas coisas. Não se preocupem que suas identidades serão muito bem guardadas! Hehe

Por ser um ambiente onde existem muitas pessoas de diferentes níveis sociais e intelectuais, inúmeras conversas ecoam pelas academias. Fala se sobre tudo, desde jogo de futebol, receita de bolo e até política, nada de “anormal”, o grande problema é quando ouvimos de pessoas não instruídas ou não sabedoras sobre o assunto, dicas e conselhos de todos os tipos para conseguir o seu objetivo mais rápido.

Segue abaixo mais alguns mitos e verdades:

Mito: Uma pessoa muito forte não pode nunca parar de treinar senão os músculos caem.

Verdade: Pra começar, os músculos não caem, quem cai é a gordura. Portanto, se você quiser parar de treinar após 5, 10 ou 20 anos de musculação, simplesmente faça uma alimentação adequada ao seu novo ritmo de vida. Você emagrecerá e adquirirá um corpo parecido com o anterior, só que em proporções menores.

Mito: Somente com o uso de complementos alimentares você consegue hipertrofiar.

Verdade: A verdadeira hipertrofia somente é alcançada na fase anabólica, quando são refeitas as reservas musculares que tendem a superar as quantidades anteriores. Esse anabolismo é alcançado através de um repouso correto e suficiente após o treino e uma alimentação balanceada. A maneira de se saber qual a melhor alimentação, e se há a necessidade de fazer uso de complementos alimentares (pois isso depende de vários fatores, tais como sua genética, tipo de treino, ritmo de vida, etc.), é consultar um nutricionista

Mito: Exercício para emagrecer não tem que ser aeróbio?

Verdade: o exercício aeróbio (caminhar, correr, nadar, pedalar, etc…) deve ser a principal atividade para as pessoas que desejam emagrecer. O que é importante para quem quer perder peso é ter um gasto calórico maior do que a ingestão. Neste sentido, qualquer atividade física poderá ajudar no processo de emagrecimento se você balancear dieta e exercício. O exercício aeróbio tem algumas vantagens, especialmente porque utiliza o oxigênio da respiração para a produção de energia e a gordura para servir como combustível energético.

Mito: Musculação não emagrece

Verdade:Um possível ganho de massa muscular pode até aumentar o peso corporal, fazendo com que você tenha dúvidas se engordou (em gordura) ou não. Este aumento de peso não significa que você engordou, pois pode não ter ocorrido o aumento de gordura e sim o aumento de massa muscular. Apesar de a queima calórica obtida por um treino convencional com pesos normalmente não ser significativa, ela vai se somar ao gasto diário. Com o passar do tempo esse efeito acumulativo poderá ajudar no emagrecimento. Além disso, esse aumento muscular pode incrementar o metabolismo de repouso do praticante e conseqüentemente, ajudar na queima total diária. Esse aumento, pelo menos a curto e médio prazo, colabora pouco para aqueles que querem emagrecer. Mas a musculação em longo prazo muda o seu metabolismo e faz com que você queime calorias até em repouso. Concluindo você que quer emagrecer deve fazer tanto os aeróbios, quanto a musculação, pois com certeza você não quer emagrecer e ficar fraca e flácida e, para isso, a musculação é essencial.

Mito: Músculos podem se transformar em gordura e vice-versa

Verdade: Você já deve ter escutado coisas do tipo “transforme gordura em músculos”, então saiba que isto é impossível. Pode ser aceito apenas como força de expressão. Quem consegue uma hipertrofia muscular e ao mesmo tempo perde gordura, teve estes resultados através de processos independentes. O tecido adiposo não tem a capacidade de se transformar em músculos. Você irá perder gordura e aumentar a massa muscular que já existe, aumentando o seu volume, não criando outros músculos.

Mito: A musculação deixa a mulher masculinizada:

Verdade: A mulher pode e deve fazer musculação. É verdade que algumas pessoas têm mais facilidade para “ganhar músculos” ou para aumentar a massa muscular, devido à composição corporal e genética. Mas você pode fazer a musculação, de acordo com os seus objetivos, como, por exemplo, enrijecer a musculatura e eliminar a flacidez.
Agora se você quiser definir a musculatura ou hipertrofiá-la (aumentá-la), terá que ter muita disciplina, fazer uma dieta balanceada e treinar para valer (com a orientação de um instrutor). Isto pode não ser rápido, nem fácil. Você terá que ter muita persistência.
A aparência masculina de algumas mulheres que fazem musculação, incluindo mudanças na voz, pelos e cabelos, geralmente é causada pelo uso indevido de anabolizantes, com potenciais prejuízos a saúde.

Mito: Dá para saber quantas calorias uma pessoa gasta em determinada atividade?

Verdade: Não. O gasto calórico varia de pessoa para pessoa, da intensidade e tempo do exercício, da idade, sexo, possíveis problemas hormonais, diabetes, peso corporal, etc. Não se pode dizer que para caminhar x tempo gastam-se x calorias, pois isto seria afirmar que sempre você irá ter este mesmo gasto, quando na verdade este gasto calórico pode mudar devido ao tipo de piso, velocidade, inclinação ou subidas, qualidade de movimentos, condições climáticas e outros. Estes valores que são passados em tabelas, são valores médios aproximados, mas não precisos. Insista nos exercícios e na dieta regularmente que você terá bons resultados.

Fonte: Cyberdiet

Editado: Felipe Almeida





Mitos e verdades sobre seu treino na academia…

24 02 2012

Na busca do padrão estético, muita gente adota dietas e exercícios exagerados, sem saber que eles só provocam um efeito: o dano à saúde. Seja qual for seu objetivo, antes de iniciar qualquer atividade física, consulte um médico e passe por uma avaliação do educador físico.

Há quem se enrole em sacos plásticos para suar mais. Há quem acredite que quanto mais doído o corpo ficar depois da malhação, melhores os resultados. Há inúmeras bobagens que rondam a prática de exercícios físicos. Eles passam de pessoa para pessoa como se fossem verdades definitivas e comprovadas. Não são. Fique atento: além de mentirosos, tais mitos podem trazer enormes prejuízos à saúde.

Os exercícios físicos são importantes nos programas de emagrecimento. A associação entre o menor consumo de gorduras e carboidratos na dieta e um maior gasto de calorias é a forma mais eficaz de eliminar os excessos. A malhação também evita a perda de massa muscular, que ocorre quando são usados remédios para emagrecer ou são seguidas as nem sempre seguras dietas da moda. Mas é importante que os esportistas tomem consciência de que os exercícios só trazem benefícios à saúde quando são corretamente prescritos e acompanhados. Abaixo listei algumas das pegadinhas prediletas que os marombeiros desinformados lançam na “rádio-corredor” das academias. Confira, também, as versões corretas dos especialistas.

Mito:O exercício só funciona quando sentimos dor no dia seguinte.
Verdade: A dor durante e após o exercício nunca é sinal de eficiência, mas sim de que os limites estão sendo ultrapassados. Para sedentários, é natural que, após as primeiras sessões de exercícios, sintam-se dores decorrentes de microlesões musculares. Mas elas diminuem à medida que a condição física melhora.

Mito: Fazer abdominais queima gordura na barriga.
Verdade: Não existe ‘‘queima’’ de gordura localizada. Para que a gordura seja metabolizada (expressão correta) durante a malhação, é preciso dedicar-se aos exercícios aeróbicos — de baixa intensidade e longa duração (como caminhar, andar de bicicleta, etc). Com eles, a gordura é metabolizada de forma generalizada e não numa região específica. A abdominal não tira barriga, apenas a enrijece.

Mito: Fazer exercícios com agasalhos e plásticos enrolados no corpo ajuda o emagrecimento.
Verdade: Essa mentira é bastante arriscada e pode trazer sérios danos para a saúde do esportista. Ela causa perda exagerada de água e pode desidratar o malhador durante o exercício. É importante destacar que suor não indica emagrecimento, mas simplesmente perda de água no organismo.

Mito: Não se deve tomar água durante os exercícios.
Verdade: Quando praticamos exercícios, perdemos água e eletrólitos (sais, como sódio e cloro). Repor a água perdida é fundamental para a manutenção do organismo e qualidade do treinamento. Portanto, tome água antes, durante e depois da malhação.

Mito: Praticar exercícios é a melhor forma de emagrecer.
Verdade: A prática de exercícios físicos é muito importante nos programas de emagrecimento. Mas a melhor forma de perder peso é associá-la a uma mudança de hábitos alimentares. Dessa forma, atua-se no balanço energético diminuindo a ingestão de calorias e aumentando o seu gasto.

Mito: Praticar exercícios em jejum emagrece.
Verdade: O emagrecimento depende dos estoques de carboidratos do organismo, que diminuem quando ficamos em jejum. Assim, exercícios em jejum causam diminuição da massa muscular e não da gordura.

Mito: Musculação engorda.
Verdade: Ao contrário do que muita gente pensa, a musculação também pode ser utilizada para o emagrecimento. Ela promove gasto energético não só durante o exercício, mas também após, em função do aumento da taxa metabólica dos esportistas. Nos programas de hipertrofia (em que há grande ganho de massa muscular), o atleta aumenta de peso, mas se torna mais magro — por ter menos gordura no organismo.

Mito: Emagrecer e perder peso é a mesma coisa.
Verdade: Não. Emagrecer significa perder gordura, o que pode acontecer sem uma perda significativa de peso na balança. Isso ocorre em programas direcionados ao ganho de massa muscular. Por outro lado, a pessoa pode perder peso e ao mesmo tempo engordar, desde que essa perda seja na forma de água e massa magra (muscular). Essa situação é muito comum nos programas de perda de peso com medicações ou nas dietas da moda.

Mito: Quanto menos gordura no corpo, melhor.
Verdade: A gordura desempenha papel importante no organismo, sendo que tanto seu excesso quanto sua deficiência acentuada fazem mal à saúde.

Mito: A natação é o esporte mais completo que existe.
Verdade: Não existe esporte completo. A modalidade deve ser escolhida de acordo com os objetivos e necessidades de cada um. Para pessoas que sofrem de alguns desvios posturais, a natação pode ser prejudicial.

Mito:Quanto mais cedo se inicia o esporte de competição, maiores as chances de obter resultados ótimos.
Verdade: O início da prática esportiva competitiva não deve acontecer antes dos 12 anos de idade, pois é preciso respeitar a maturação biológica das crianças. Até essa idade, os pais devem estimular os filhos a fazer atividades recreativas. As modalidades devem ter caráter lúdico e estimular a motricidade das crianças.

Mito: Quanto mais exercício físico, melhor.
Verdade: A prática de exercícios é importante, mas o organismo precisa de repouso adequado para obter benefícios desta prática. É importante que os limites sejam respeitados e que haja um período de recuperação de pelo menos 24 horas entre os treinos.

Então gurizada, para que a prática de exercícios seja segura e atenda aos objetivos que se propõe, é fundamental que antes do início de qualquer programa de exercícios você faça avaliações física e médica para garantir a prescrição dos exercícios adequados.

Um abraço, Felipe Almeida.

Fonte: CorreioWeb

Editado: Felipe Almeida





Tudo tem um início…

24 02 2012

Como diz o título do post, na vida tudo tem um início. Resolvi criar esse blog, lógico, pra divulgar meu trabalho como educador físico mas também  o intuito de compartilhar pensamentos e ideias sobre saúde e qualidade de vida, bem como gerar discussões e soluções para os problemas que muitas pessoas não querem ver em relação ao seu próprio bem estar..

Espero que gostem e opinem!

Abraço, Felipe Almeida





Voltaremos….

24 02 2012