Como a obesidade afeta o seu corpo

20 02 2013

Os problemas gerados pelo excesso de peso aumentam conforme o IMC. Calcule o seu e conheça os riscos.

Click na foto e irá abrir uma nova janela mostrando o Infográfico.

IMC

Bom treino!! ;D

Fonte: Site Ig

Editado: Felipe Almeida





Música no exercício físico, interfere ou não?

31 08 2012

Há quem diga que não, mas ouvir música durante uma atividade física é, comprovadamente, um grande incentivo e fator motivante para aqueles que querem treinar. O pesquisador Costas Karageorhies, é um especialista em música e exercício. Segundo uma pesquisa coordenada por ele, ouvir música durante uma atividade física pode aumentar o rendimento em até 15%. Uma das explicações para isso é a distração. “O estímulo das batidas da música bloqueia algumas das mensagens que a musculatura e alguns órgãos vitais enviam para o cérebro e isso acaba reduzindo a percepção do esforço”.

Já um médico de Tóquio, o Dr. Norio Owaki, que estudou durante 10 anos certos tipos de pautas sonoras, descobriu que a música altera a atividade das ondas cerebrais. Uma música pode fazer você se esforçar mais ou menos, dependendo do ritmo e se é ou não do seu gosto musical.

Ou seja, enquanto seu corpo tenta avisar que você já está prestes a desistir e ainda falta muito para completar o exercício na esteira, por exemplo, o cérebro está ocupado prestando atenção na música que você está ouvindo.

O pesquisador Costas Karageorhies, ressalva que apenas em um momento do exercício, a música se torna ineficaz: quando a capacidade aeróbica ultrapassar 75%. Nesse ponto, ocorre uma alteração involuntária de atenção do externo (música) para o interno, a partir disso, você irá sentir suas pernas pesarem como troncos de árvores, e nesse caso, o silêncio vale ouro.

Como eu escrevi no início do post, algumas pessoas são contra, entre elas está o sociólogo do esporte e treinados. Na opinião é preferencial treinar sem ouvir música, pois temos e precisamos ouvir o nosso corpo em cada etapa do exercício, para termos uma noção de como estamos em relação à fadiga, ao ambiente, estar alerta, escutar e sentir o nosso corpo.

Abaixo listei alguns prós e contras dos dois especialistas citados no post, em relação a música e o exercícios físico.

PRÓS:

  • Estudos demonstram que ela reduz a percepção de intensidade do exercício em cerca de 10 – 15%
  • Bloquear alguns dos estímulos internos, como mensagens sobre fadiga enviadas por músculos e órgãos
  •  Eleva aspectos positivos do humor, como entusiasmo e felicidade, enquanto reduz aspectos negativos, como tensão, cansaço e confusão.
  • Podem aliviar o tédio na esteira
  • Quanto menos se percebe o esforço, menor o tédio

CONTRAS:

  • Distancia dos outros sons produzidos pelo ato de correr, como a respiração e o impacto das passadas, que são informações preciosas
  • Afasta a pessoa do ambiente em que ela está.
  • Reduz sua atenção e aumenta seu tempo de reação.
  • Tornar dependentes de música.
  • Pode-se chegar a um ponto em que você perde a noção daquilo que é realmente motivador para você, como a sensação de energização provocada pela corrida.
  • Você fica desconectado do exercício.

Pra mim, é errado usar?  De jeito nenhum, ouvir música durante a prática do exercício é muito estimulante, além de contribuir para a melhora do ritmo e até da performance, mas o importante é saber como usar para que não ocorram efeitos desagradáveis futuros.

Então a minha dica é: na hora de escolher as músicas, leve em conta o seu gosto pessoal. Mas, como sugestão, prefira musicas eletrizantes. Já no aquecimento com os alongamentos iniciais e procure manter o ritmo durante toda a atividade. No final, coloque músicas calmas e relaxantes (de sua preferência) juntamente com os alongamentos finais.

Bom treino a todos!!!

Fonte:  Blog Dicorpo e Blog Comerbebertreina

Elaborado por Felipe Almeida





Treinar acompanhado (a) ajuda a emagrecer…

25 06 2012

Treinar acompanhado do namorado ou namorada, além de mais divertido, também ajuda a perder peso, garante um estudo publicado na revista “Archives of Internal Medicine”.

O trabalho, realizado durante dois anos por cientistas da Universidade de Medicina da Pensilvânia, concluiu que os parceiros que frequentam a academia juntos se estimulam mutuamente a não sair da dieta.

Durante o período, os participantes da pesquisa tinham como objetivo perder entre 5% a 10% de peso e, para atingir os resultados, foram acompanhados por profissionais que definiram para eles uma dieta mais saudável e um programa de exercícios.

Enquanto 63 pessoas seguiram a rotina definida sozinhas, 281 malharam acompanhadas, e o grupo que treinou em duplas ainda foi dividido em dois subgrupos: em um, as duas pessoas fizeram o mesmo treino e no outro, um deles seguiu um programa mais leve.

O progresso foi mensurado pelos pesquisadores em um intervalo de seis, 12, 18 e 24 meses. Segundo o artigo, os participantes que treinaram acompanhados e receberam o mesmo treinamento que seus companheiros foram os que perderam mais peso durante todo o programa.

Para Shiriki Kumanyika, autor da pesquisa, a ideia era avaliar o quanto ter companhia para treinar ajuda a adaptar a rotina das pessoas à atividade física.

Kumanyika ainda afirma no artigo que os benefícios de praticar atividade física com o companheiro são reais e que a perda de peso individual não estava relacionada ao quanto o parceiro havia emagrecido.

Bom treino a todos ;D

Fonte: Uol

Editado: Felipe Almeida





Mitos e verdades sobre seu treino na academia. Parte III…

2 03 2012

Devido aos comentários que me fizeram solicitando mais mitos,  pesquisei e listei  7 de muitos que existem por ai. Aproveitem e espero que gostem.

1. Subir escadas faz perder gordura localizada
Mito dos brabos. O primeiro problema é que a pessoa que acredita nisso e começa a subir escadas em vez de ir de elevador não consegue ultrapassar o segundo andar. Mesmo que consiga chegar ao quarto, sua respiração estará tão ofegante que ela irá parar. Esse exercício que ela acabou de fazer foi anaeróbico, fazendo seus batimentos cardíacos dispararem. Para perder gordura localizada indica-se exercícios aeróbicos e durante 30 minutos, ou mais, permanecendo numa frequência cardíaca não tão alta. Uma pessoa sedentária não vai conseguir manter essa atividade porque sua frequência vai subir, e frequência alta não é eficiente para perder gordura.
O que há de bom em subir as escadas: A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere que uma pessoa suba 9 andares por dia. Essa sugestão faz parte de uma campanha para que a população mundial comece a se movimentar mais, no combate à obesidade. Além disso, tal atividade melhora o condicionamento físico. Mas não adianta subir três lances de escada e pegar o carro para ir à padaria, que fica a três quadras da sua casa – as ações precisam ser tomadas em conjunto. Uma hora subindo escadas gasta em média 1.000 calorias. Mas nem mesmo um profissional treinado consegue passar dos 20 minutos…

2. Abdominal emagrece
Mito barrigudo
. Nenhum abdominal do mundo pode fazer emagrecer. Ele não é suficiente para perder gordura localizada. Esse tipo de exercício fortalece a musculatura, mas não faz a gordura desaparecer. A pessoa que faz muitos abdominais todos os dias pode até ter uma barriga tanquinho, mas debaixo de uma pancinha de gordura.O que há de bom nos abdominais: combinado a exercícios aeróbicos, que irão queimar as gorduras, podem revelar um abdome durinho.

3. Malhar em jejum emagrece
Mito perigoso. Ao levantar, normalmente um pessoa está há oito horas sem comer e com a taxa de glicose bem baixa no sangue. Com a glicose baixa, e para todas as atividades físicas, de tomar banho a malhar, o corpo deverá se alimentar de outra fonte de energia e, antes de escolher a gordura, foca na massa muscular. A pessoa acaba perdendo massa muscular sem perder gordura. E pode até desmaiar. Antes de malhar, coma uma fonte de carboidrato leve, uma fruta, um suco ou um pedacinho de pão. E, ao longo das duas horas posteriores à atividade, faça uma refeição mais completa. Essas horas são as mais importantes para se alimentar. É nesse momento que seu metabolismo está acelerado, hora certa de repor os carboidratos, proteínas e boas fontes de gorduras (como azeite, castanha e leite desnatado), perdidos durante o exercício.

4. Suar significa emagrecer
Mito molhado. “Eu vejo gente que coloca roupas superpesadas para transpirar mais durante o exercício, pensando que isso ajuda a emagrecer”, diz Atalla. Pelo contrário: a pessoa vai desidratar, cansar-se mais rapidamente, fazer menos atividade física porque vai parar antes do que deveria e o resultado só piora. Da mesma forma, medicamentos diuréticos, que aceleram a eliminação da água do corpo através da urina, fazem perder até 2kg. No dia seguinte, a pessoa que ingeriu o remédio repõe naturalmente esses quilinhos apenas com as refeições tradicionais. Pior: os diuréticos fazem o corpo perder muitos sais minerais, causando um desiquilíbrio de cálcio e potássio que é muito perigoso. “E começa a fica mais perigoso ainda em mulheres perto dos 40 anos, próximas à menopausa. Perder cálcio pode levar à osteoporose”, afirma o especialista.

5. Musculação não emagrece
Mito forte
. Apenas um exercício localizado não faz emagrecer. Mas fazendo todos os exercícios da musculação, você pode emagrecer, sim. Como? Aumentará sua massa muscular, o que faz aumentar seu metabolismo. Para o corpo continuar vivo, precisa de 40 calorias por dia para manter 1kg de músculo. Para manter 1kg de gordura, bastam 5 ou 6 calorias. Ou seja, o gordinho tem um metabolismo menor que o musculoso, sendo que este último precisa de muito mais calorias só para respirar (e provavelmente tem hábitos mais saudáveis que o primeiro).

6. Caminhar emagrece
Mito leve
. Não é o simples fato de caminhar que faz emagrecer e eliminar gorduras, mas o ritmo correto da caminhada. Se a pessoa consegue caminhar e conversar, está muito leve. Por outro lado, se ela não consegue trocar nenhuma frase com outra pessoa, a caminhada está muito pesada. O ideal é que ela não esteja tão confortável a ponto de não conseguir conversar e nem tão ofegante que não consiga falar direito. Outro detalhe é o tempo. Indica-se ao menos 30 minutos de caminhada porque, a partir do vigésimo minuto, a gordura passa a ser fonte primária da queima de energia no exercício físico.

7. É melhor não fazer nada do que ser atleta de fim de semana
Mentira
. Fazer exercício físico só no fim de semana é melhor do que não fazer nunca, mas deve ser controlado: tanto na intensidade quanto no tempo – de 1h a 2h. Não pode exagerar: jogar três partidas seguidas de futebol, por exemplo, pode ser prejudicial. Esse tipo de “atleta de fim de semana” controlado consegue melhorar um pouquinho seu sistema cardiovascular, mas não vai emagrecer. A atividade física é importante porque mantém os fatores de risco mais controlados, diminuindo a glicemia e a pressão.

Fonte: Revista Época

Editado: Felipe Almeida





Confira 20 mitos e verdades sobre emagrecimento

1 03 2012

Um post bem importante vamos dizer assim, já que passadas as festas de final de ano, carnaval e férias, que tal conferir 20 itens que são difundidos como atalhos para emagrecer. Será que funcionam? Confiram e aproveitem.

1. Moderadores de apetite
Sim. Mas esse tipo de medicamento precisa ser receitado por um médico competente e jamais deve ser tomado por iniciativa própria. O Brasil é recordista mundial no consumo de remédios para emagrecer. Um dos tipos mais antigos, as anfetaminas, são substâncias que agem no sistema nervoso central, inibindo o centro da fome e aumentando o gasto calórico. Podem ter sérios efeitos colaterais, como agitação, insônia, agressividade e até desencadeamento de quadros depressivos ou psicóticos. Hoje, muitos remédios usados para diminuir o apetite não são anfetaminas, e sim substâncias que compartilham com a anfetamina apenas o radical fenetilamina, responsável pelo efeito anorético. Nem todo mundo pode usar moderador de apetite: pacientes com ansiedade, depressão, hipertensão e doenças cardíacas, por exemplo, não devem usar.

2. Alcachofra
Não. Não existe nenhuma prova da sua eficiência como emagrecedor. Ao começar a consumir esse alimento, algumas pessoas dizem experimentar uma certa saciedade extra, mas esse efeito desaparece com o passar do tempo. A alcachofra deve estar presente na alimentação por ser uma hortaliça pouco calórica, mas é preciso não comê-la em molhos gordurosos. Cozida em água e sal e em molho de cebola ralada, limão ou vinagre, água, sal e azeite, não é engordativa.

3. Corrida
Sim. A corrida é uma das melhores atividades físicas para gerar a perda e a manutenção da perda de peso, pois tem gasto calórico elevado. Associada à reeducação alimentar, constitui um método eficiente para emagrecer. De modo geral, o exercício físico induz a adaptações metabólicas, aumentando o gasto energético diário e minimizando a diminuição do metabolismo de repouso ocasionado pela perda de peso. A combinação de restrição calórica e treinamento físico é excelente para o tratamento da obesidade. Mas a corrida só deve ser feita por pessoas que não tenham problemas clínicos que representem risco de complicações com a prática como, por exemplo, pessoas com problemas cardíacos ou com diferença significativa entre o tamanho das duas pernas.
4. Pilates
Não. O pilates não foi testado cientificamente. Alguns praticantes tornam-se motivados a perder peso, mas o gasto calórico desse tipo de exercício é relativamente baixo. O efeito emagrecedor pode ser obtido a partir da combinação com a mudança de alguns hábitos alimentares.

5. Café
Não. A cafeína tem efeito termogênico (aumenta o metabolismo), mas esse efeito é muito discreto. Pode ser obtido na dose de até quatro xícaras pequenas de café por dia, somente se a bebida for consumida sem açúcar. Em contrapartida, o excesso de cafeína pode causar ansiedade, que pode levar a comer mais.

6. Chá verde
Não. Pesquisas comprovaram o efeito termogênico (acelerador do metabolismo) do consumo do chá verde, mas tal efeito é muito pequeno quando comparado ao obtido pela prática de atividade física, por exemplo. Para emagrecer bebendo chá verde, é necessário ingerir aproximadamente um litro por dia, sem açúcar nem adoçante, em temperatura morna e preparado logo antes da ingestão. Sucos com chá verde e chá verde industrializado não são emagrecedores.

7. Comida integral
Não. Alimentos integrais são saudáveis, ricos em fibras e em vitaminas. Mas, se consumidos em grande quantidade, levam ao ganho de peso. Por outro lado, se consumidos com moderação, em substituição aos alimentos refinados, podem aumentar a sensação de saciedade, ajudando no controle do peso. Ou seja, quem come integrais em quantidades exageradas não vai emagrecer. O importante é consumir esses alimentos mais saudáveis em quantidades moderadas.

8. Sopas
Não. O uso de sopas em dietas tem um lado positivo e um negativo. Geralmente as sopas são feitas com verduras e legumes, pouco calóricos, que substituem refeições calóricas. Por outro lado, quando não mastigamos, nossa sensação de saciedade é menor e há o risco de não resistir à fome e comer alimentos que engordam. Além disso, há uma tendência ao uso de sopas industrializadas, que podem ser menos nutritivas e ter muitas calorias. Sopas devem ser consumidas ocasionalmente.

9. Reeducação alimentar
Sim. É a melhor solução para quem quer emagrecer e manter-se magro. Com ela, aprende-se a reduzir alimentos que prejudicam a saúde e o peso e a comer alimentos considerados deliciosos em quantidades moderadas e com prazer. Assim, dá para emagrecer gradativamente, sem sofrimento e respeitando os hábitos alimentares de cada um. Perder peso e conseguir manter-se nesse novo peso deve ser encarado como uma tarefa para ser cumprida em longo prazo.

10. Sauna
Não. Quem faz sauna fica exposto a altas temperaturas, o que aumenta a transpiração e gera perda líquida. Ao sair da sauna e subir numa balança, pode-se observar um peso inferior, mas essa diferença é rapidamente recuperada assim que a pessoa ingere os líquidos que seu organismo pede nas horas seguintes. A sauna não elimina gorduras e algumas pessoas têm queda de pressão ou tontura quando fazem sessões.

11. Drenagem Linfática
Não. Essa massagem corporal drena os líquidos do corpo, direcionando-os ao sistema linfático para que sejam eliminados na urina. Ajuda pessoas com tendência a retenção hídrica a diminuir o peso líquido, mas não elimina gordura.

12. Cigarro
Não. A nicotina leva a um discreto aumento da quantidade de calorias gastas ao longo do dia, mas o seu principal efeito é diminuir o paladar e a vontade de beliscar. Quem fuma costuma trocar a comida dos intervalos das refeições por cigarros e, por isso, tende a não engordar. Ao parar de fumar e passar a comer mais, as pessoas tendem a engordar. Mas não-fumantes obesos não vão emagrecer se começarem a fumar, e sim se diminuírem a compulsão de comer entre as refeições. Quem fuma para perder peso ou para manter o peso está cometendo um grande erro em relação à sua saúde. O hábito de fumar é a principal causa de mortalidade e morbidade e de aumento do risco de doenças passível de prevenção.

13. Cremes redutores de medidas
Não. Nenhum tipo de creme consegue mudar o metabolismo do organismo ou exercer qualquer efeito sobre ele. Nem mesmo o efeito localizado chega a ser muito intenso. Muitas vezes, o “resultado” é imperceptível. Alguns cremes reduzem sutilmente a gordura localizada, o que é completamente diferente de emagrecer. Nos poucos estudos clínicos em que se tentou provar que esse tipo de cosmético funciona, o resultado obtido foi igual ao do placebo.

14. Suco de limão
Não. O suco de limão é rico em vitaminas A, B e C e em sais minerais, é gostoso, natural e pode ser utilizado em diversas receitas, mas não emagrece. Pode colaborar para o emagrecimento quando, puro ou com adoçante, é utilizado como substituto de outra bebida com maior valor calórico (refrigerantes e sucos naturais ou processados, por exemplo). Se ingerido puro em grandes quantidades pode prejudicar o estômago.

15. Acupuntura na orelha
Não. Em estudos clínicos, a acupuntura mostrou-se eficaz para o emagrecimento durante, no máximo, três meses. Isso significa que o método pode gerar apenas um entusiasmo que leva à mudança de hábitos alimentares. A Sociedade Chinesa de Acupuntura reconhece, em publicação oficial, que não há comprovação do uso da técnica para tratamento de obesidade. A acupuntura não está entre as indicações médicas oficiais como tratamento para perda de peso.

16. Lipoaspiração
Não. Esse método cirúrgico faz apenas a retirada da gordura localizada. Isso não significa emagrecer nem leva a nenhum tipo de melhora na saúde de um obeso. Vale ressaltar ainda que, além de caro, o procedimento requer anestesia, costuma ser doloroso e tem recuperação lenta. Quem faz lipoaspiração e continua comendo da mesma maneira volta a ganhar peso.

17. Jejum
Não. De acordo com os especialistas, pular refeições para perder peso é uma prática errada e arriscada porque o organismo se readapta a estocar gordura a fim de tolerar esses períodos sem alimentação. Ou seja, quem faz jejum acaba acumulando mais gordura. O jejum prolongado (de ficar dias sem comer) faz a pessoa perder peso, mas prejudica a saúde e leva à perda de massa muscular. Quando volta a se alimentar, a pessoa engorda mais do que o normal, pois o organismo foi treinado para manter grandes reservas energéticas a fim de se prevenir de um novo período de jejum.

18. Comida light/diet
Não. Alimentos diet são aqueles em que alguma substância foi substituída por outra. No refrigerante diet, por exemplo, o açúcar foi substituído por adoçante. Chocolates diet podem conter mais calorias do que os normais e engordam. Alimentos light são aqueles que sofreram redução de pelo menos 25% na quantidade de calorias e/ou de algum nutriente (sódio, por exemplo) em relação a seus equivalentes normais. Iogurte desnatado é um produto light, pois seu teor de calorias é menor por não ter gorduras. Nos light, o efeito emagrecedor depende da quantidade ingerida. Dar preferência à ingestão de alimentos diet ou light não garante a redução de peso, principalmente quando se come demais.

19. Cintas modeladoras
Não. Antigas conhecidas das nossas avós, as cintas jamais emagrecem, apenas disfarçam as medidas, de acordo com os especialistas. Não queimam calorias nem têm impacto sobre gorduras localizadas.

20. Medicina ortomolecular
Não. A “dieta ortomolecular” nada mais é que uma dieta saudável. Em alguns casos, é acompanhada pela prescrição de medicamentos ortomoleculares que são formulados com anorexígenos, hormônio de tireóide ou diuréticos. O paciente também toma vitaminas e outras substâncias sem efeito emagrecedor comprovado. Para perda de peso saudável e sustentável, é necessária a reeducação alimentar com mudanças no estilo de vida. Remédios devem ser prescritos criteriosamente e o respaldo científico é fundamental.

Fonte: Folha de S.Paulo

Editado: Felipe Almeida





Mitos e verdades sobre seu treino na academia. Parte II…

26 02 2012

Mitos e verdades

 

Bom, devido a procura por mais “mitos” e verdades sobre o treinamento na academia, resolvi postar mais algumas coisas. Não se preocupem que suas identidades serão muito bem guardadas! Hehe

Por ser um ambiente onde existem muitas pessoas de diferentes níveis sociais e intelectuais, inúmeras conversas ecoam pelas academias. Fala se sobre tudo, desde jogo de futebol, receita de bolo e até política, nada de “anormal”, o grande problema é quando ouvimos de pessoas não instruídas ou não sabedoras sobre o assunto, dicas e conselhos de todos os tipos para conseguir o seu objetivo mais rápido.

Segue abaixo mais alguns mitos e verdades:

Mito: Uma pessoa muito forte não pode nunca parar de treinar senão os músculos caem.

Verdade: Pra começar, os músculos não caem, quem cai é a gordura. Portanto, se você quiser parar de treinar após 5, 10 ou 20 anos de musculação, simplesmente faça uma alimentação adequada ao seu novo ritmo de vida. Você emagrecerá e adquirirá um corpo parecido com o anterior, só que em proporções menores.

Mito: Somente com o uso de complementos alimentares você consegue hipertrofiar.

Verdade: A verdadeira hipertrofia somente é alcançada na fase anabólica, quando são refeitas as reservas musculares que tendem a superar as quantidades anteriores. Esse anabolismo é alcançado através de um repouso correto e suficiente após o treino e uma alimentação balanceada. A maneira de se saber qual a melhor alimentação, e se há a necessidade de fazer uso de complementos alimentares (pois isso depende de vários fatores, tais como sua genética, tipo de treino, ritmo de vida, etc.), é consultar um nutricionista

Mito: Exercício para emagrecer não tem que ser aeróbio?

Verdade: o exercício aeróbio (caminhar, correr, nadar, pedalar, etc…) deve ser a principal atividade para as pessoas que desejam emagrecer. O que é importante para quem quer perder peso é ter um gasto calórico maior do que a ingestão. Neste sentido, qualquer atividade física poderá ajudar no processo de emagrecimento se você balancear dieta e exercício. O exercício aeróbio tem algumas vantagens, especialmente porque utiliza o oxigênio da respiração para a produção de energia e a gordura para servir como combustível energético.

Mito: Musculação não emagrece

Verdade:Um possível ganho de massa muscular pode até aumentar o peso corporal, fazendo com que você tenha dúvidas se engordou (em gordura) ou não. Este aumento de peso não significa que você engordou, pois pode não ter ocorrido o aumento de gordura e sim o aumento de massa muscular. Apesar de a queima calórica obtida por um treino convencional com pesos normalmente não ser significativa, ela vai se somar ao gasto diário. Com o passar do tempo esse efeito acumulativo poderá ajudar no emagrecimento. Além disso, esse aumento muscular pode incrementar o metabolismo de repouso do praticante e conseqüentemente, ajudar na queima total diária. Esse aumento, pelo menos a curto e médio prazo, colabora pouco para aqueles que querem emagrecer. Mas a musculação em longo prazo muda o seu metabolismo e faz com que você queime calorias até em repouso. Concluindo você que quer emagrecer deve fazer tanto os aeróbios, quanto a musculação, pois com certeza você não quer emagrecer e ficar fraca e flácida e, para isso, a musculação é essencial.

Mito: Músculos podem se transformar em gordura e vice-versa

Verdade: Você já deve ter escutado coisas do tipo “transforme gordura em músculos”, então saiba que isto é impossível. Pode ser aceito apenas como força de expressão. Quem consegue uma hipertrofia muscular e ao mesmo tempo perde gordura, teve estes resultados através de processos independentes. O tecido adiposo não tem a capacidade de se transformar em músculos. Você irá perder gordura e aumentar a massa muscular que já existe, aumentando o seu volume, não criando outros músculos.

Mito: A musculação deixa a mulher masculinizada:

Verdade: A mulher pode e deve fazer musculação. É verdade que algumas pessoas têm mais facilidade para “ganhar músculos” ou para aumentar a massa muscular, devido à composição corporal e genética. Mas você pode fazer a musculação, de acordo com os seus objetivos, como, por exemplo, enrijecer a musculatura e eliminar a flacidez.
Agora se você quiser definir a musculatura ou hipertrofiá-la (aumentá-la), terá que ter muita disciplina, fazer uma dieta balanceada e treinar para valer (com a orientação de um instrutor). Isto pode não ser rápido, nem fácil. Você terá que ter muita persistência.
A aparência masculina de algumas mulheres que fazem musculação, incluindo mudanças na voz, pelos e cabelos, geralmente é causada pelo uso indevido de anabolizantes, com potenciais prejuízos a saúde.

Mito: Dá para saber quantas calorias uma pessoa gasta em determinada atividade?

Verdade: Não. O gasto calórico varia de pessoa para pessoa, da intensidade e tempo do exercício, da idade, sexo, possíveis problemas hormonais, diabetes, peso corporal, etc. Não se pode dizer que para caminhar x tempo gastam-se x calorias, pois isto seria afirmar que sempre você irá ter este mesmo gasto, quando na verdade este gasto calórico pode mudar devido ao tipo de piso, velocidade, inclinação ou subidas, qualidade de movimentos, condições climáticas e outros. Estes valores que são passados em tabelas, são valores médios aproximados, mas não precisos. Insista nos exercícios e na dieta regularmente que você terá bons resultados.

Fonte: Cyberdiet

Editado: Felipe Almeida





Mitos e verdades sobre seu treino na academia…

24 02 2012

Na busca do padrão estético, muita gente adota dietas e exercícios exagerados, sem saber que eles só provocam um efeito: o dano à saúde. Seja qual for seu objetivo, antes de iniciar qualquer atividade física, consulte um médico e passe por uma avaliação do educador físico.

Há quem se enrole em sacos plásticos para suar mais. Há quem acredite que quanto mais doído o corpo ficar depois da malhação, melhores os resultados. Há inúmeras bobagens que rondam a prática de exercícios físicos. Eles passam de pessoa para pessoa como se fossem verdades definitivas e comprovadas. Não são. Fique atento: além de mentirosos, tais mitos podem trazer enormes prejuízos à saúde.

Os exercícios físicos são importantes nos programas de emagrecimento. A associação entre o menor consumo de gorduras e carboidratos na dieta e um maior gasto de calorias é a forma mais eficaz de eliminar os excessos. A malhação também evita a perda de massa muscular, que ocorre quando são usados remédios para emagrecer ou são seguidas as nem sempre seguras dietas da moda. Mas é importante que os esportistas tomem consciência de que os exercícios só trazem benefícios à saúde quando são corretamente prescritos e acompanhados. Abaixo listei algumas das pegadinhas prediletas que os marombeiros desinformados lançam na “rádio-corredor” das academias. Confira, também, as versões corretas dos especialistas.

Mito:O exercício só funciona quando sentimos dor no dia seguinte.
Verdade: A dor durante e após o exercício nunca é sinal de eficiência, mas sim de que os limites estão sendo ultrapassados. Para sedentários, é natural que, após as primeiras sessões de exercícios, sintam-se dores decorrentes de microlesões musculares. Mas elas diminuem à medida que a condição física melhora.

Mito: Fazer abdominais queima gordura na barriga.
Verdade: Não existe ‘‘queima’’ de gordura localizada. Para que a gordura seja metabolizada (expressão correta) durante a malhação, é preciso dedicar-se aos exercícios aeróbicos — de baixa intensidade e longa duração (como caminhar, andar de bicicleta, etc). Com eles, a gordura é metabolizada de forma generalizada e não numa região específica. A abdominal não tira barriga, apenas a enrijece.

Mito: Fazer exercícios com agasalhos e plásticos enrolados no corpo ajuda o emagrecimento.
Verdade: Essa mentira é bastante arriscada e pode trazer sérios danos para a saúde do esportista. Ela causa perda exagerada de água e pode desidratar o malhador durante o exercício. É importante destacar que suor não indica emagrecimento, mas simplesmente perda de água no organismo.

Mito: Não se deve tomar água durante os exercícios.
Verdade: Quando praticamos exercícios, perdemos água e eletrólitos (sais, como sódio e cloro). Repor a água perdida é fundamental para a manutenção do organismo e qualidade do treinamento. Portanto, tome água antes, durante e depois da malhação.

Mito: Praticar exercícios é a melhor forma de emagrecer.
Verdade: A prática de exercícios físicos é muito importante nos programas de emagrecimento. Mas a melhor forma de perder peso é associá-la a uma mudança de hábitos alimentares. Dessa forma, atua-se no balanço energético diminuindo a ingestão de calorias e aumentando o seu gasto.

Mito: Praticar exercícios em jejum emagrece.
Verdade: O emagrecimento depende dos estoques de carboidratos do organismo, que diminuem quando ficamos em jejum. Assim, exercícios em jejum causam diminuição da massa muscular e não da gordura.

Mito: Musculação engorda.
Verdade: Ao contrário do que muita gente pensa, a musculação também pode ser utilizada para o emagrecimento. Ela promove gasto energético não só durante o exercício, mas também após, em função do aumento da taxa metabólica dos esportistas. Nos programas de hipertrofia (em que há grande ganho de massa muscular), o atleta aumenta de peso, mas se torna mais magro — por ter menos gordura no organismo.

Mito: Emagrecer e perder peso é a mesma coisa.
Verdade: Não. Emagrecer significa perder gordura, o que pode acontecer sem uma perda significativa de peso na balança. Isso ocorre em programas direcionados ao ganho de massa muscular. Por outro lado, a pessoa pode perder peso e ao mesmo tempo engordar, desde que essa perda seja na forma de água e massa magra (muscular). Essa situação é muito comum nos programas de perda de peso com medicações ou nas dietas da moda.

Mito: Quanto menos gordura no corpo, melhor.
Verdade: A gordura desempenha papel importante no organismo, sendo que tanto seu excesso quanto sua deficiência acentuada fazem mal à saúde.

Mito: A natação é o esporte mais completo que existe.
Verdade: Não existe esporte completo. A modalidade deve ser escolhida de acordo com os objetivos e necessidades de cada um. Para pessoas que sofrem de alguns desvios posturais, a natação pode ser prejudicial.

Mito:Quanto mais cedo se inicia o esporte de competição, maiores as chances de obter resultados ótimos.
Verdade: O início da prática esportiva competitiva não deve acontecer antes dos 12 anos de idade, pois é preciso respeitar a maturação biológica das crianças. Até essa idade, os pais devem estimular os filhos a fazer atividades recreativas. As modalidades devem ter caráter lúdico e estimular a motricidade das crianças.

Mito: Quanto mais exercício físico, melhor.
Verdade: A prática de exercícios é importante, mas o organismo precisa de repouso adequado para obter benefícios desta prática. É importante que os limites sejam respeitados e que haja um período de recuperação de pelo menos 24 horas entre os treinos.

Então gurizada, para que a prática de exercícios seja segura e atenda aos objetivos que se propõe, é fundamental que antes do início de qualquer programa de exercícios você faça avaliações física e médica para garantir a prescrição dos exercícios adequados.

Um abraço, Felipe Almeida.

Fonte: CorreioWeb

Editado: Felipe Almeida